quarta-feira, 14 de julho de 2010

A Dureza é Fundamental

É de um forte apelo, sem rastejo.
Fendas, falhas, quentura.
Dobras, corcovas, uma por cima da outra.
Séria, não esboça sentir tão fácil: faz corpo duro e demora...

É onda, é marca, é tudo.
Tem prestígio, tem anos.
Inunda, remodela. Para. Vai. Para.
Abriga, e apunhala com calor todos os mortais
Bio-vivo, bio-morto, bio-duro...

Orgia de fluidos sem cerimônia.
Vai arrastando o bio e lava tudo. Fumaça tudo. Pedaça tudo.

Estrato pra que te quero. Estado de dormência fugidia.
Encerra o que viveu, abre espaço para o que ainda nascerá.

Orgia. Ogia. Urgia tudo há mais tempo.
Logia que veio para te contemplar em seu traje e essência.
Dura, sem perder a ternura da vida que enterra.

Um comentário:

dudaams disse...

Fala Poetisa, ficou muito bom.
E viva a Vida.